Missa de 7º dia da Arquiteta Ana Luiza Petrik Magalhães

Comunicamos que a Missa de 7º dia da Arquiteta Ana Luiza Petrik Magalhães, será nesse dia 20, sexta-feira, às 19h30, na paróquia da Divina Providência (Rua Lopes Quintas, 274 – Jardim Botânico).

É com grande pesar que o Instituto de Arquitetos do Brasil, departamento do Rio de Janeiro (IAB-RJ) comunica o falecimento da nossa companheira arquiteta Ana Luiza Petrik Magalhães, mulher do ex-presidente do IAB-RJ e do IAB, Sérgio Magalhães.

Ana Petrik era arquiteta e desenvolveu projetos de grande relevância para a cidade do Rio de Janeiro, como o conjunto habitacional do Cafundá, associada com os arquitetos Sérgio Magalhães, Silvia Pozanna, Clóvis Barros, um escritório que marcou a cena cultural do Rio de Janeiro nos anos setenta.

Particularmente, como profissional tive a oportunidade de desfrutar de sua energia e alegria contagiante em duas ocasiões na Secretaria Estadual de Saúde, no campo da arquitetura hospitalar, nos anos oitenta, e no projeto de reurbanização do Morro do Conceição no governo de Luiz Paulo Conde, já nos anos noventa. Andy, como era conhecida pelos amigos coordenou o projeto do Morro da Conceição, que envolvia arquitetos franceses e meu escritório Archi5 arquitetos associados de uma maneira leve e alegre, como era de seu feitio. Foi uma experiência notável, na qual produzimos uma série de unidades habitacionais, que preenchiam os vazios urbanos, numa textura que respeitava a escala das pré-existências, uma experiência que ainda cobra do poder municipal uma atitude com maior presença habitacional no centro da cidade.

Ana Luiza Petrik sempre teve também uma dedicação memorável a sua família, seus filhos e netos, bem como seu marido, que eram constantes em seus pensamentos e falas. Ainda me lembro de uma vez que viajamos para Minas Gerais para compromissos do IAB, e ficamos numa fazenda em Brumadinho, ocasião em que o casal conheceu o Centro Cultural de Inhotim, na qual conversei com Andy sobre o processo de envelhecimento de minha mãe. Nessa ocasião, percebi a sensibilidade dela para os ciclos da vida e para a questão da memória que compartilhamos, de forma privada e ou pública, aos quais todos nós estamos condenados, e, como segundo ela era importante nos esforçarmos por compartilhar experiências alegres e positivas, seja no âmbito mais íntimo da família, ou no âmbito público.

Enfim, perdemos um dos quadros humanos mais importantes da cidade do Rio de Janeiro, nas nossas batalhas profissionais e humanas. Andy fará falta, mas suas ações, opiniões e atitudes permanecem conosco.

O velório será amanhã domingo no Memorial do Carmo – Caju, a partir das 12 horas a Cremação as 17:30 horas.

Arquiteto Pedro da Luz Moreira
Presidente do IAB-RJ

A arquiteta Ana Luiza Petrik Magalhães, ou Andy Petrik, nasceu em Porto Alegre, mas mudou-se para o Rio em 1968. Nos anos 70, trabalhou no escritório de Severiano Mario Porto, e mais tarde abriu o seu próprio, com Sérgio Magalhães, Silvia Pozzana e Clóvis de Barros. O MBPP venceu diversos concursos e foi premiado, entre outros, pelos projetos do conjunto habitacional do Cafundá (1977), em Jacarepaguá, e da cidade provisória criada para a construção da usina de Salto Santiago (1975), no Paraná.

Ao chegar ao Rio, fez mestrado em Saúde Pública na Fiocruz. Nos anos 80, atuou na área ao transferir-se para a Secretaria Estadual de Saúde.

Nas gestões dos prefeitos Cesar Maia e Luiz Paulo Conde, foi diretora de Urbanismo. Coordenou projetos como os de reurbanização do Morro da Conceição, da Praça XV, e da implantação do novo mobiliário urbano da cidade. Por ideia sua, o Jardim Botânico derrubou o muro que o delimitava com a Rua Pacheco Leão, adotando a grade que o integra à cidade.

Morreu ontem, aos 74 anos, vítima de câncer. Deixa marido, três filhos e quatro netos.

Arquiteta Norma Taulois
Conselheira do IAB-RJ

Andy era nossa companheira de luta pela restauração da Biblioteca do IAB RJ.
Desde 2011, muitas reuniões, esperança, projetos, decepções, algumas conquistas e realizações nos aproximaram.
Andy sempre otimista e disposta a lutar pela manutenção do acervo na sede do IAB RJ e a favor da implantação de um espaço formal para a Biblioteca.

Estimada Andy, sentiremos muito a tua ausência.

Cêça Guimaraens, Luiz Flórido, Marlice Azevedo, Maria do Carmo M.Di Primio.