Lançado no IAB-RJ o Concurso Nacional Morar Carioca

Presidente do IAB-RJ e prefeito do Rio de Janeiro abrem as inscrições para escolher as 40 equipes que farão parte do programa de urbanização de favelas

Com a presença do prefeito Eduardo Paes, do secretário municipal de Habitação Pierre Batista e do deputado Jorge Bittar – além do presidente do IAB-RJ, Sérgio Magalhães, e do coordenador do concurso, Luiz Fernando Janot –, foi lançado nesta sexta-feira, dia 15 de outubro, na sede do IAB-RJ, o Concurso Morar Carioca: conceituação e prática em urbanização de favelas. O concurso marca o início do convênio entre a prefeitura e o instituto e tem por objetivo selecionar 40 escritórios de arquitetura – compostos por equipes multidisciplinares – que irão desenvolver projetos de urbanização de favelas, dentro do Programa Morar Carioca.

O auditório do IAB estava lotado de arquitetos e urbanistas dispostos a participar da empreitada. O Programa prevê que, até 2020, todas as favelas passíveis de urbanização estejam devidamente urbanizadas. Mas não só isso. Como ressaltou Sérgio Magalhães, presidente do IAB-RJ, em sua fala de abertura do encontro, “o Morar Carioca faz parte de uma mudança de paradigma no projeto de urbanização de comunidades carentes. Saímos da exclusão ao amplo entendimento das necessidades reais das áreas a serem urbanizadas”, acrescentando que o objetivo do concurso é justamente premiar os projetos que sigam este conceito. “É um momento histórico para o Rio de Janeiro. Espero que seja uma boa luta entre as equipes, que todas venham participar deste projeto de tornar nossa cidade mais rica, mais bonita, mais próspera e socialmente mais justa”, disse o presidente do IAB-RJ.

O lançamento do concurso nesta data foi providencial: o IAB-RJ promove o debate Conexão Rio-Londres, para as Olimpíadas de 2016, e, na semana que vem, abre um novo concurso – este para projetos de construção das vilas de mídia e de arbitragem das Olimpíadas na área do Porto do Rio. “É bastante expressivo que haja esta proximidade de datas; é uma unidade sobre a qualidade urbanística que se deseja para a cidade. Estes eventos mostram que queremos uma cidade melhor, que queremos deixar um legado benéfico para o conjunto da população carioca”, finalizou Magalhães. O secretário municipal de Habitação, Pierre Batista, reiterou o raciocínio: “Nosso objetivo é urbanizar todas as favelas cariocas até 2020. A ação de equipes que incluem, além de arquitetos e urbanistas, médicos, biólogos, assistentes sociais, fará disso um benefício permanente.”

De forma bem-humorada, o prefeito Eduardo Paes iniciou sua fala confessando que “quando criança queria ser arquiteto. Fazia plantas de apartamentos, inclusive com aquela portinha que os arquitetos sabem fazer”, disse, criando um clima descontraído no auditório. Paes falou sobre uma reunião que teve com representantes do Comitê Olímpico Internacional, após a seleção da cidade como sede: um dos membros ressaltou que um dos sonhos do COI é que o planejamento para as Olimpíadas brasileiras encontre uma solução para o problema das favelas cariocas. “As Olimpíadas trazem a reboque uma ‘justificativa’ para se colocar na agenda temas que, de certa forma, a cidade abandonou”, disse o prefeito. “Saí deste encontro com a idéia e o compromisso de que o grande legado das Olimpíadas será este. Nosso objetivo é ousar. Sem obras faraônicas, mas com projetos que supram todas as necessidades deste processo.”

Para o prefeito, este foi um desafio lançado há cerca de quatro meses e que se consolidou hoje, com o lançamento do Concurso. “É um desafio, mas não há a impossibilidade de realizá-lo. Aquilo que tantos já disseram ser impossível pode ser feito. Pode não ser de fácil solução, mas com a inspiração olímpica iremos atingir”, disse Paes, complementando que o Programa Morar Carioca é mais do que urbanizar. “É levar serviços públicos da cidade antes negados às favelas. É fazer com que as regras que valem no asfalto também venham a valer nas comunidades. Este é o legado – e que ficará por muito tempo depois de esta equipe sair da prefeitura”, finalizou.