PROJETO DO MORRO DO GRAGOATÁ EM NITERÓI:

O Departamento do Rio de Janeiro do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB-RJ) tomou conhecimento da iniciativa de um empreendimento imobiliário na área do Morro do Gragoatá em Niterói, no campus adjacente a Escola de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal Fluminense, por meio de colegas arquitetos que trabalham nessa instituição de ensino. A área do morro do Gragoatá se localiza no bairro de São Domingos, junto ao Museu de Arte Contemporânea de Niterói, projeto do arquiteto Oscar Niemyer, e terá um grande impacto na paisagem da Baía de Guanabara. O IAB-RJ entende, que numa área de grande visibilidade paisagística para a Baía de Guanabara, e portanto para toda a cidade metropolitana do Rio de Janeiro, aglomerado com 12milhões de habitantes, que acaba de ter sua paisagem natural reconhecida como patrimônio da humanidade pela UNESCO, não deve ter seus planos e projetos definidos de forma restrita e açodada. É importante que essa paisagem reconhecida pela UNESCO como patrimônio da humanidade seja tratada com a devida responsabilidade por nossos agentes públicos, entendendo que ela foi a primeira dentre as mais de seiscentas reconhecidas por esse organismo internacional, onde se destaca a especificidade da soma da paisagem natural, com a intervenção humana. O IAB-RJ, próximo de completar 100anos de existência, sempre defendeu que os projetos relevantes para as cidades brasileiras devem ser debatidos e acordados entre todos, para se evitar que as novas iniciativas prejudiquem o patrimônio natural e construído, particularmente de um sítio tão inusitado quanto o da Baía de Guanabara, na cidade metropolitana do Rio de Janeiro. Assim, o IAB-RJ sugere, que os agentes públicos e privados envolvidos, bem como a sociedade civil organizada e interessada construam uma agenda de audiências públicas, que informem e pré-figurem as intervenções pretendidas, de forma que as mudanças no morro do Gragoatá atendam aos interesses de todos.