SEMANA ACADÊMICA DA EAU-UFF CONSTROI OCA INDÍGENA

No âmbito da semana acadêmica da Escola de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal Fluminense (EAU-UFF), que ocorre essa semana de 23 a 27 de outubro de 2017 está sendo construída no terreno do Maquinho em Niterói uma oca indígena, sobre a coordenação da professora Dinah Guimaraens, que possui pesquisa no âmbito dos estudos transculturais e transdisciplinares. A iniciativa compartilha a tecnologia de tribos indígenas brasileiras, que ainda produzem sua habitação – oca – a partir de uma materialidade extraída diretamente da natureza, tais como bambús, madeiras e palha. A Oca está sendo montada no Maquinho em Niterói, junto ao projeto que Oscar Niemyer construiu junto a favela do Morro do Ingá, bem próximo ao campus da UFF da Praia Vermelha. Segundo a professora Dinah Guimaraens, “a proposta da construção da oca indígena envolve a divulgação de saberes e culturas, que foram soterradas pelos processos de desenvolvimento do país, mas que ainda demonstram uma grande adequação climática e ambiental do projeto. O papel da universidade brasileira deve ser o de resgatar essas formas de construção, para que elas possam ser reelaboradas e retrabalhadas pelas novas gerações.”

A proposta foi visitada pelo professor da EAU-UFF e presidente do Instituto de Arquitetos do Brasil, departamento do Rio de Janeiro (IAB-RJ), Pedro da Luz Moreira e deveria ser documentada para participar do Congresso Mundial de Arquitetos da União Internacional de Arquitetos (UIA), que se realizará no Rio de Janeiro em 2020. “Os debates suscitados em torno do workshop da professora Dinah Guimaraens possuem a maior relevância para o campo do espaço construído pelos humanos no nosso planeta. O tema do congresso ‘Todos os mundos. Um só mundo. Arquitetura 21′ quer exatamente trazer a luz essas outras formas de construção.”